logo

Artigos Técnicos


INSTRUÇÃO EM HELICÓPTERO

Ensinar alguém a pilotar uma aeronave dentro do seu envelope de vôo e realizando todas as manobras possíveis com segurança é o objetivo de um curso de pilotagem. Fazer isto o mais economicamente possível é o objetivo do aluno. Já as escolas objetivam faze-lo com o melhor resultado financeiro.

Os programas de instrução teórica e prática das escolas são muito parecidos e permitem que, com 240 horas de aula e 35 horas de vôo, o aluno esteja pronto para o cheque de vôo que lhe dará a Licença de Piloto Privado de helicóptero. E quanto custa tudo isto?

Varia um pouco de escola para escola mas gira em torno de dez a onze mil reais, um preço que elitiza a atividade e a formação de pilotos para a aviação de asa rotativa pois é bem mais alto do que aquele pago para aprender a pilotar um avião.

Será que haveria alguma maneira de baixar este preço sem ferir nenhum dos objetivos das partes envolvidas mantendo a qualidade do produto final, o piloto??

Há alguns anos atrás, quando o CPD-Certificado de Piloto Desportivo era suficiente para habilitar um piloto de RotorWay, eu dei instrução para alguns clientes e apliquei o mesmo programa que o instrutor da fábrica do helicóptero, usava para ensinar a voar Rotorways pelo mundo a fora. O resultado foi excelente pois nunca houve acidentes e todos os formados curtiram muito seus aparelhos. Um deles teve uma pane de motor e pousou com segurança sem danificar o aparelho.

É uma lástima que o DAC não possa validar este programa para a habilitação de um Piloto Privado devido aos acordos firmados com a ICAO pois isto permitiria baixar drasticamente os custos de formação, uma vez que não são necessárias mais do que 15 horas para deixar um aluno pronto para cheque, uma economia de 50%.

Qual o segredo? Usar as horas de vôo para treinar as manobras essenciais e perder menos tempo com o vôo reto e nivelado. O programa de instrução que apliquei prevê que as 5 horas iniciais sejam voadas no “quadrado”. Ao final delas o aluno estará um “expert” em vôo pairado dominando completamente o helicóptero junto ao solo. As duas horas seguintes são usadas para treinar “quickstops”, inicialmente os de “baixa”, feitos quando o helicóptero atinge a velocidade de translação e depois os de “alta” quando a velocidade chega aos 60 kt em vôo a baixa altura sobre a pista.

Só depois de atingir a proficiência nestas manobras ensina-se ao aluno um vôo subindo, nivelado e descendo, na reta e em curvas, o que não representa nenhum mistério para quem já dominou o helicóptero junto ao solo.

Aproximações e pousos são algumas destas manobras em seqüência. Auto-rotação, terreno inclinado e área restrita não requerem mais do que três ou quatro horas de treinamento.As cinco horas de navegação eu não necessitei fazer pois todos já voavam avião, assim, com dez ou onze horas de instrução tínhamos pilotos desportivos de helicóptero.

Há alguns anos atrás conheci Augusto Cicare, o “Pirungi” como o chamam seus amigos, nascido em Polvaredas-Buenos Aires em 1937, criado e ainda vivendo na Argentina, um gênio inventor desde muito jovem. Voei o seu sétimo projeto em duas versões: o CH-7 Angel e o Mini 500. Para quem conhece ambos, são tecnicamente idênticos. O Angel teve sua cabine desenhada na Itália por Pininfarina a pedido do Barbero da Aerosport que o fabrica e o Mini 500 nos EUA por Dennis Fetters. Em comum, além da parte técnica, a maneira como Augusto Cicare foi “logrado” e teve seu projeto roubado.

Neste helicóptero a criatividade do Argentino escondeu as hastes de comando do passo principal dentro do mastro e eliminou o “swashplate” (prato giratório) do topo do mastro substituindo-o por uma “estrela” colocada na sua parte inferior.

E o que tem Augusto Cicare a ver com a instrução de vôo em helicópteros e a maneira de baixar seus custos?

Ele inventou o primeiro treinador que permite a alguém sem nenhuma experiência anterior, sentar-se em um helicóptero monoplace e, depois de um curso teórico e um bom brifim, decolar com a aeronave e fazer todo o treinamento de vôo no “ quadrado” de uma forma barata mas eficiente e segura. O filho de Cicare treinou neste equipamento e voou um helicóptero sem nunca ter sido instruído em duplo-comando.

Como ninguém pensou nisto antes? É o “ ovo de Colombo”. Com certeza é.

Uma plataforma circular pesada e apoiada sobre pequenas rodas para lhe permitir deslocamentos em todas as direções. Sobre ela uma estrutura onde é fixado por um braço um helicóptero igual ao Angel ou ao Mini 500 só que com a cabine desenhada, desta vez, na Argentina. Um sistema pneumático que auxilia o rotor principal a sustentar e deslocar o helicóptero no eixo vertical, e está pronto o chamado “simulador de vôo”.

O sistema pneumático tem três regulagens que deixam o helicóptero muito leve, leve ou com seu peso normal. O braço fixador limita o movimento vertical da máquina. O monitor possui um comando sem fio que lhe permite, do lado de fora, desde cortar o motor em caso de emergência ou no treinamento de “pane no pairado” até simular rajadas de vento sobre o aparelho. Pode acender as luzes de emergência no painel para checar a atenção do aluno e diminuir a potência do motor simulando um GW elevado.

Sem a necessidade de um instrutor de vôo à bordo, a instrução sendo dada em uma aeronave de um lugar movida por um motor ROTAX 582, permite baixar os custos de um curso de PPH. O DAC já estuda a possibilidade de permitir que até 15 horas do total de 35 sejam feitas neste treinador, até porque ele é um helicóptero e não somente um simulador.

Treinar emergência no vôo pairado pode ser feito sem risco mas o grande “plus” está no aspecto psicológico do aluno que treina sem o medo de causar um acidente caso venha a cometer um erro.

Aquele programa de instrução descrito anteriormente se encaixa perfeitamente no esquema pois a legislação atual já autoriza que 5 horas sejam voadas neste treinador, aceito pelo DAC.

Só falta agora o DAC achar um jeito de fazer com que a ICAO aceite a redução das horas totais necessárias para a formação de um PPH para que a “democracia” chegue às asas rotativas.

 

 

logo