logo

Artigos Técnicos


COMO TORNAR-SE UM PILOTO EM ATÉ 15 DIAS

Todos nós sabemos que somente as horas de vôo é que trazem a experiência. Mas qual seria a quantidade mínima de horas de vôo necessárias para que uma pessoa normal aprenda a operar com segurança uma aeronave?

Pela legislação, com 15 horas de vôo, uma pessoa pode obter um CPD-Certificado de Piloto Desportivo que lhe permitirá operar, em vôo local, uma aeronave registrada na categoria ultraleve.

Nestas 15 horas aprenderá todos os procedimentos de vôo normais tais como pouso e decolagem ( esta opcional mas o pouso mandatório), o vôo em subida, o nivelado e o planado, curvas, estóis, etc.

A recomendação é de que haja um espaçamento entre um vôo e outro para possibilitar ao piloto aluno absorver os ensinamentos. Atendendo a esta regra, é possível voar duas missões de treinamento diárias, ou seja, uma hora e meia. Assim, se as condições meteorológicas forem propícias, houver disponibilidade do aluno e de seu instrutor e aeronave disponível, as 15 horas poderão ser feitas em 10 dias.

Os dois primeiros dias serão dedicados à aprendizagem da teoria de vôo com o estudo da aerodinâmica e dos conhecimentos técnicos com o estudo dos motores, estruturas e sistemas.

As regras de tráfego aéreo, a meteorologia e noções de navegação estudadas nos intervalos dos vôos completarão os conhecimentos teóricos das cinco matérias que serão cobradas em uma prova com consulta ao Manual de Conhecimentos Teóricos da ABUL. 

Preparado, será apresentado a um representante da ABUL que lhe aplicará a prova e fará o vôo de cheque.

Depois de habilitado e enquanto aperfeiçoa suas técnicas de pilotagem nos vôos próximos ao aeródromo sede, um piloto desportivo poderá ir treinando, com a supervisão de um piloto habilitado como PP, PC ou PLA, a navegação por contato e o vôo em espaços aéreos controlados, aprendendo a fazer as comunicações com os órgãos de controle de tráfego aéreo e a usar o transponder. 

Neste período, quando já estará curtindo o prazer de voar e até levando a namorada, esposa ou filho para voar, terá as aulas teóricas das mesmas matérias, agora com maiores detalhes e profundidade, de forma a preparar-se para as provas teóricas do PR- Piloto de Recreio que também é aplicada pela ABUL, deste vez, sem consulta e no mesmo nível de conhecimentos de um PP.

É muito simples mas eu só poderei voar um ultraleve e eu queria voar avião, pensarão alguns. Pois saibam que a aviação ultraleve está recebendo inúmeros ex-proprietários de aviões que os trocam por ultraleves quando vêm o quão menos “burocrático” e mais barato é voar uma aeronave experimental. Além disto, há a constatação de que em 90 % dos seus vôos em avião, embora dispondo de quatro lugares, voava com apenas um passageiro e que isto é possível com um ultraleve voando na mesma velocidade e gastando a metade do combustível.

A Aviação Experimental está salvando o aerodesporto. O ultraleve, devido às diferenças nas exigências para habilitação, destaca-se entre os experimentais. Já somos mais de 5000 pilotos. Junte-se a nós na ABUL.

 

 

logo